"Sombras" aplaudido pelo público moscovita

sexta, 05 julho 2013

O Teatro Nacional de São João do Porto "entrou com o pé direito" no Festival Internacional de Teatro Tchekhov, em Moscovo, com a representação de "Sombras", peça de Ricardo Pais recebida com muitos aplausos e "bravos" por uma sala repleta.

 

Diz um ditado russo que "a primeira panqueca cozinhada sai sempre mal", mas os atores portugueses desmentiram isso, embora tenham arriscado ao extremo: apresentar uma peça com base em episódios da História de Portugal, perante um público que, na sua grande maioria, os desconhece.

Mas o trabalho dos atores, dos músicos, dos técnicos de luz e som e do tradutor da peça de português para russo, Vitaly Gnatiuk (numa legendagem que surgiu num quadro colocado acima do palco), foram mais do que suficientes para superar qualquer barreira.

"Trata-se de um verdadeiro cabaret europeu, onde se entrelaçam géneros, empurrando-se uns aos outros, onde os atores portugueses manobram habilmente entre épocas históricas, ou contando pela milésima vez a sua principal lenda sobre o amor maravilhoso e trágico de Inês e Pedro, ou ironizando clichés primitivos. Um leque de géneros: de monólogos românticos a anedotas modernas escabrosas", declarou à Lusa Ksenia Larina, conhecida crítica russa de teatro.

A crítica destaca dois momentos: "o contrabaixista salta da orquestra para o palco e transforma-se num fantástico bailarino: atraente, provocante, gracioso. Ele pisca o olho à sala em delírio e, ao som de fortes aplausos, volta para o contrabaixo".

"E a cena de amor entre Pedro, louco de amor, e a sua amada morta Inês! Nem uma palavra, nem um som, um silêncio selvagem de dois corpos cruzados por abraços: a vida e a morte, arrepiante!", acrescentou a crítica.

"Apenas se pode comparar as "Sombras" com o jazz, onde uma melodia é seguida de outra, a disposição muda rapidamente e a satisfação vem da improvisação", considerou Alexei Zotov, crítico do canal televisivo russo ORT.

A crítica de teatro do diário Moskovskii Komsomolets destaca duas figuras no grupo: "O teatro português oferece-nos uma ‘mistura’ emocional. Os atores e músicos no palco eram 12, entre os quais Mário Laginha, estrela do jazz mundial, e Raquel Tavares, mulher bonita e estrela do fado".

Quando o pano caiu, os fortes e longos aplausos das mais de mil pessoas que enchiam a sala do Teatro Mossoviet, uma das melhores salas de teatro da capital russa, surpreenderam claramente os atores e músicos portugueses. Não estavam à espera que a sua mensagem fosse tão bem recebida pelo exigente público moscovita.

"Espetáculo emocionante! Foi um grande prazer! Até senti calafrios. Se tiverem oportunidade, não percam este espetáculo", comentou Sasha Khozina, aluna do Instituto de Relações Externas de Moscovo.

A peça "Sombras", trazida pelo primeiro grupo de teatro português a representar na Rússia, irá ser exibida hoje e no sábado na mesma sala de teatro e contará novamente com casa cheia.